A arte de pesquisar

Buscar referências para um trabalho quer seja uma pesquisa técnica, um livro ou uma história em quadrinhos, é um trabalho árduo. Não é a toa que existem livros falando apenas sobre isso.
Ao processo, para organizar, documentar e interpretar textos damos o nome de metodologia do estudo. Ela é aplicada em todas as áreas do conhecimento humano e suas regras são vitais para qualquer pesquisa.
Aqui, nós separaremos uma pesquisa em 3 etapas:

1. Organização:

É o processo em que o pesquisador deve organizar suas ações e meios de pesquisa. Antes de tudo ele deve estar consciente de que o resultado do processo depende diretamente dele mesmo. Nesse processo é importante estar consciente de tudo que você sabe e, principalmente, do que você não sabe. Descobrir os meios pelos quais você pode obter informações e como utilizar estas ferramentas de pesquisa da maneira mais adequada.
O processo de pesquisa nessa etapa envolve as noções diretas do que você aprendeu até hoje. Como por exemplo: seu conhecimento de gramática é bom? Escreve bem? Sabe outras línguas ou pelo menos consegue traduzir razoavelmente bem e é capaz de obter informação de um texto traduzido por uma ferramenta de idiomas? Sabe trabalhar com uma enciclopédia? Sabe fazer uma pesquisa com uma ferramenta de busca?
Mas por que tudo isso é necessário?
Pelo simples fato que cada uma dessas respostas afetará diretamente o resultado de sua pesquisa.

Veja:

Seu conhecimento de Gramática é bom?Escreve bem?
Conhecer bem seu idioma e um número mínimo de palavras com seus respectivos verbetes (se não sabe o que é um verbete, é bom correr para um dicionário. Comece a pesquisar agora!) é vital para uma pesquisa. Quanto maior for seu relacionamento com sua língua pátria, mais opções para pesquisar. Num processo de buscas por temas, todas as palavras e seus sinônimos são muito úteis. Isso vale tanto para uma clássica busca numa enciclopédia como para uma moderna busca na internet.

Sabe outras línguas ou pelo menos consegue traduzir razoavelmente bem e é capaz de obter informação de um texto traduzido por uma ferramenta de idiomas?
Isso é importante?Muito! Pelo simples fato que a maioria dos grandes sites e blogs que possuem referências relevantes e material visual de boa qualidade são estrangeiros! Não adianta chorar. Grande parte, dos materiais de pesquisa, se encontra em inglês, espanhol, francês, japonês e alemão. Isso vale desde história da moda até avanços científicos de última geração. Há sites em português de boa qualidade e conceituados? Sim, há, mas são um número muito pequeno e não suprirão suas necessidades sempre, portanto é bom começar a “arranhar” um pouco outros idiomas. Não precisa ser nenhum poliglota, basta ter uma base razoável de um ou dois idiomas que já terá um grande avanço, mesmo porque as ferramentas de idiomas estão aí para te dar uma forcinha, mas até para usá-las deve-se ter senso; a maioria das traduções peca pelas frases truncadas e erros de concordância, então o pesquisador deve ser um pouco paciente e filtrar o resultado de sua pesquisa com calma.

Sabe trabalhar com uma enciclopédia?
Sim, enciclopédias podem parecer ultrapassadas em comparação com a internet, mas elas ainda têm uma vantagem sobre a rede: a grande quantidade de informações dos mais diversos tipos juntos num único local e, que você pode manusear sem ter de ficar eliminando tópicos que não tem nada a ver com o assunto procurado. O que estamos explicando é que a enciclopédia é uma ótima fonte de informações diversificadas onde você pode ler sobre muitos assuntos e ampliar bastante seus conhecimentos gerais, observando temas interessantes. Sim, existem enciclopédias virtuais, mas a vantagem da tradicional é que pode levá-la de um lado e para o outro sem gastar bateria!

Sabe fazer uma pesquisa com uma ferramenta de busca?
A chave de uma busca bem feita é através do refinamento e da quantidade de informações que um pesquisador dispõe, inicialmente.
Conhecer os termos específicos ajuda muito a ter uma pesquisa bem sucedida e isso depende dos tópicos discutidos anteriormente: o conhecimento de sua língua pátria, uma base de um ou outro idioma e uma bagagem razoável de conhecimentos gerais.
Os melhores sites para determinados assuntos são, em geral, encontrados no idioma de origem do tema buscado. Então, se você tiver de puxar imagens (mas isso também vale para textos), por exemplo, de brasões de famílias japonesas, sua pesquisa será um desastre se colocar a palavra “BRASÃO”. Você deve refinar a busca: procure a palavra original usando uma ferramenta de idiomas, se for o caso. Você terá a palavra “KAMON” e com esse termo fará uma busca mais especifica e, em sites japoneses (se usar o termo escrito em caracteres originais, a pesquisa sairá melhor ainda). Quanto mais refinar, melhor.
A tecnologia ajuda, mas também pode causar grandes males, como o vício de se acreditar que tudo virá a sua mão num simples apertar de botão. A tecnologia não substitui a inteligência e muito menos o conhecimento humano. Se o pesquisador não souber nada, sua pesquisa será deficiente e cheia de lacunas. Outro vício que certos pesquisadores têm é o de achar que apenas uma fonte basta! Isso está errado. A maior parte do temas tem muito mais de uma definição e o trabalho de um pesquisador é achar o melhor e mais exato conteúdo possível.

2. Documentação:

Na documentação recolhemos material para pesquisa. No caso de roteiros e quadrinhos, é nessa fase é que temos de correr atrás dos dados. Aqui falaremos basicamente de sites e livros, mas o pesquisador também pode recorrer a revistas especializadas, elas existem com os mais diversos temas.

Como obter fontes:

Sobre Sites – Na internet pode-se encontrar uma quantidade muito boa de informações, mas é importante que o pesquisador compreenda que o material deve ter suas fontes indicadas. Afinal, a partir do momento que qualquer pessoa pode fazer um site, também qualquer coisa pode ser escrita. Saber de onde vêm suas informações ajuda muito e, em certos casos, ajuda até a localizar livros, muitos dos quais podem ser baixados legalmente na web.
Abaixo alguns sites interessantes para pesquisa.

* Moda e adereços – Costume Manifesto – www.costumes.org
* Estações Ferroviárias do Brasil – www.estacoesferroviarias.com.br
* Móveis antigos – www.danielsantiques.com
* Acervo digitalizado da Biblioteca Nacional – http://bndigital.bn.br
* Acervo de Arte e Arquitetura da Universidade Nacional Australiana – https://artserve.anu.edu.au/

Para adquirir cultura geral:

* National Geographic Brasil – http://viajeaqui.abril.com.br/national-geographic
* National Geographic – www.nationalgeographic.com
* Scientific American Brasil – http://www2.uol.com.br/sciam

Material para arte-final (retículas, brushes, padronagens, fontes):

* Padronagens japonesas vetorizadas – http://www.ikiya.jp/crest/download.html
* Padronagens em rapport para serem utilizadas no photoshop – http://haruusagi.gozaru.jp/NewFiles/photoshop-pattern.html
* Kamon (brasões de família) – http://eps.crest-japan.net/flower/index.php
* Fontes e padrões – http://www.houseoflime.com
* Screentones digitais – http://psychobob.xepher.net/screentonez

É claro que existe muito mais e para cada busca existe um tipo de necessidade. Aí cabe ao jovem pesquisador preencher os requisitos para se fazer uma boa pesquisa e seguir adiante sozinho. Importante: a maioria destes sites está em outros idiomas e é para isso que existe a ferramentas de idioma do Google! Preguiça não leva ninguém a nenhum lugar, portanto, não adianta chorar e achar que o site vai mostrar tudo mastigadinho para você. Mexa-se!

Sobre livros – ao buscar em livros, o pesquisador deve procurar por títulos que possam conter, inicialmente, o maior número de informações possíveis sobre um assunto e depois buscar títulos mais específicos. Uma das vantagens dos livros é que você tem o material acessível, sem a necessidade de ter de ir ao computador toda hora e imprimir seu material de pesquisa. No momento de desenhar ou escrever, faz muita diferença ter o material a mão.
Para todos os temas é interessante buscar coletâneas como coleções históricas e/ou periódicas.

Livros sugeridos:

* História da joalheria com ilustrações e fotos: Jewelry, from Antiquity to the Present , autoria: Clare Phillips – editora: Thames and Hudson – coleção: Word of Art.
* Design de jóias: 305 authentic Art Nouveau Jewelry Designs – Autoria: Maurice Sufrène – editora: Dover Editions.
* Authentic Art Deco Jewelry Designs – Autoria: F. Deboni – editora: Dover Editions.

* História do mobiliário com ilustrações e fotos: Guia dos estilos de mobiliário, autoria: Andrew Brunt – editora: Presença – coleção: Habitat

* História da moda ocidental com ilustrações: Costume 1066-1990s, A complete guide to English costume design and History with 1000 duotone illustrations – autoria: John Peacock – editora: Thames and Hudson.
* Men’s Fashion, The complete Sourcebook with over 1000 colour illustrations – autoria: John Peacock – editora: Thames and Hudson.
* Fashion Sourcebooks: The 1920’s ¬– autoria: John Peacock – editora: Thames and Hudson.
* Fashion Sourcebooks: The 1930’s ¬– autoria: John Peacock – editora: Thames and Hudson.
* Fashion Sourcebooks: The 1950’s ¬– autoria: John Peacock – editora: Thames and Hudson.
* Fashion Sourcebooks: The 1970’s ¬– autoria: John Peacock – editora: Thames and Hudson.

* Sobre anatomia (mãos): The book of hundred hands – autoria: George B. Bridgman – editora: Dover editions.
* Sobre mitologia geral: Dicionário dos deuses e demônios – autoria: Manfred Lurker – editora Martins Fontes
* Sobre tradições do sul do Brasil e linguajar: Popularium sul-rio-grandense – autoria: Apolinário Porto Alegre – Editora: da URGS – Conteúdo: folclore, hábitos linguísticos, glossário de palavras
* Pilchas do Gaúcho – autoria: Véra Stedile Zattera – Editora: Pallott – Conteúdo: vestuário tradicional, arreios e avios de mate.
* Folclore brasileiro: Antologia do Folclore Brasileiro, volumes 1e 2 – autoria Luis da Câmara Cascudo – editora: Global.

Existem muitos outros títulos e a lista aqui seria infinita. A editora norteamericana Dover possui um catálogo imenso de títulos que podem ser consultados através do seu site www.doverpublications.com
Como o leitor notará, a maioria trata de títulos estrangeiros. Estes títulos podem ser adquiridos através da Importadora Freebook ou da livraria Cultura. Ambas possuem sites e vendem através da internet para outras localidades do Brasil.
Os sites são: www.freebook.com.br | www.livrariacultura.com.br
Títulos nacionais fora de venda ou esgotados podem ser encontrados em sebos a preços bons e adquiridos também pela internet através do site: www.estantevirtual.com.br

3. Interpretação:

Esta é a fase que nunca termina. A interpretação depende da nossa constante capacidade de absorver, analisar e converte a informação em dados conclusivos. Para que ela ocorra, temos de iniciar um processo de buscar intelectual que não termina com a sua história, mas segue por toda a sua vida. Para interpretar, é necessário viver.
Em síntese, nunca bastará apenas você desenhar a roupa certa, mas entender porque aquela roupa era usada naquela época e qual sua funcionalidade. Através dessas informações o roteirista/desenhista saberá muito da época que a personagem vive, seu modo de ser e até como ela interage em sociedade. E isso também vale na hora de criar uma sociedade imaginária.
Bem, o que resta a nós é desejar ao pesquisador, seja um aspirante a roteirista ou desenhista, que ele se esforce ao máximo. É importante que você compreenda que conhecimento não é algo que se adquire da noite para o dia e muito menos ao apertar meia dúzia de teclas: a tecnologia nos trouxe meios de trazer o conhecimento para perto de nós, mas não mudou os mecanismos pelo qual a mente humana os capta e absorve. O processo ainda é o mesmo que temos utilizado a centenas de anos; o estudo constante.
É como tentar entrar em forma fazendo ginástica: não se pode tentar fazer, num único dia, todos os exercícios que seriam feitos durante meses; a única coisa que o afoito conseguirá é uma baita dor no corpo! O conhecimento é igual! São necessários dias, meses e anos de leitura constante para conseguir ter uma boa bagagem de conhecimento em sua mente. Ler de tudo fará com que seu cérebro consiga guardar mais informações cada vez mais variadas, que poderão construir um mosaico de criatividade maior para seus trabalhos. Sim, isso custa caro. Não sai de graça, mas qualquer profissional capacitado lhe dirá que você terá de botar a mão no bolso para poder se destacar com um bom material de pesquisa – e olhe que hoje em dia a internet está ajudando muito.

Boa sorte e nada de preguiça!^____^


Esta entrada foi publicada em Dicas de Produção de Mangá. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

6 respostas a A arte de pesquisar

  1. Marss disse:

    Boa noite, para começar parabéns pelo excelente blog!
    Adorei esse post, são informações valiosas para qualquer artista, na verdade para qualquer pessoa que queira se aprofundar em algum assunto específico, mas para mim que estudo ilustração, devo agradecer pelos links e pelas dicas em dobro, obrigado!
    Boa sorte com o blog e com os trabalhos, enfim, boa sorte!

  2. Alexsandro uzumaki disse:

    Faça a revista ficar cheias de desenho e menos bla bla bla.Quero falar para
    publicarem uma revista so com Fanzines.

  3. Digo Freitas disse:

    Parabéns pelo capricho no texto!

  4. alex sandro disse:

    bem eu queria agradecer a ótima matéria queria perguntar vcs podem me deixar postar em minha pagina para que mais pessoas possam saber sobre essa íncrivel arte d pesquisar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *