Apresentação de trabalhos para editoras

Uma dúvida muito comum dos jovens desenhistas é: como apresentar material para um editor?
Por esse motivo, resolvemos postar alguns passos importantes para um candidato a quadrinhista/roteirista seguir:

1º Tenha certeza de que seu traço é bom

Na prática, isso significa que não é você que tem de achá-lo bom, mas sim, aqueles que o vêem! Isso deve ficar bem claro. Por bom, você deve compreender que seu traço deve ser bem feito, independente do estilo, que você tenha domínio sobre a técnica. Isso significa não só desenhar homens e mulheres, mas crianças, velhos, animais, cenários e o que aparecer pela frente. Se você pretende desenhar quadrinhos, isso significa saber desenhar de tudo. Não subestime diagramação; ela é a alma da narrativa desenhada e também tem que dominar isso.

Perguntas frequentes:

1. Como posso saber se meu traço é bom?

Geralmente quem começa não tem o “olho treinado”, por esse motivo, muitas vezes não consegue perceber seus erros. É por causa disso que treino constante e por um período de meses é necessário. De tempos em tempos, os desenhos devem ser apresentados para um profissional com o olho treinado, a fim de poder dar um parecer. Apenas cuidado: expor trabalhos na internet para qualquer pessoa ver, irá expô-lo a todo mundo; desde bons profissionais até gente que só sabe dizer o que acha baseado em seus gostos pessoais. Fique atento às críticas e esteja preparado para mudanças afinal, se deseja saber se é bom, tem que estar consciente que, no momento, você pode não sê-lo.

2. Se meu traço for bom, significa que vou publicar?

Isso não depende só do seu traço, mas de um conjunto de elementos: seu traço ser bom não significa que seja um traço comercial. O conjunto de história, capacidade de trabalho regrado, material bem acabado, ajuda muito a aumentar pontos na possibilidade de publicação.

3. Meu traço tem de agradar todo mundo?

Não. Seu traço não tem de agradar todo mundo porque isso é impossível, nem os mangakás japoneses conseguem isso. É importante que você entenda que irá trabalhar para um grupo de leitores que pode ser médio ou grande, mas não para todo mundo. Outra dica importante: se mesmo sendo bom e tendo preenchido os requisitos, um editor não quiser publicar seu trabalho, não desanime. Nem todos os editores estão dispostos a arriscar e você não pode desistir de primeira, às vezes a próxima oportunidade está na esquina.

2º Saiba dominar arte-final e alguma técnica de coloração

Se quiser desenhar quadrinhos, tem que saber passar tinta e pintar. Cada processo é diferente e exige estudo e tempo de dedicação. No caso do mangá, inclua aplicar retículas. Se não dispõem de ninguém que faça isso para você, é bom começar a estudar!

Perguntas frequentes:

1. Preciso de material importado para fazer quadrinhos?

Não, mas tecnicamente faz diferença ter bom papel e tintas. Isso depende muito de sua capacidade. É importante lembrar que bons materiais refinam o acabamento, mas não fazem seu traço ficar melhor. Quem desenha mal, continuará desenhando mal em papel importado… mal e mais caro!

2. Computadores são necessários?

Em geral, sim. Seu trabalho não termina só no lápis e na tinta, na maioria das vezes. Mesmo que disponha de gente para te ajudar nas etapas seguintes de tratamento de imagem e acabamento, terá que ter um para enviar o material. Lan house quebra galho, mas não salva sempre. Outra coisa, erros de nanquim são limpos em geral no computador e não à mão. A coloração digital também é muito cotada, pois a imagem não necessita de escaneamento (já foi escaneada antes de ser pintada) e nem de retoques digitais provenientes das divergências de leitura de cores dos scanners.

3º Prepare um portfólio corretamente

Caso preencha bem os requisitos acima, pode preparar um portfólio para apresentação profissional.
O que esse portfólio deve conter: desenhos a lápis com traço firme e limpo, desenhos feitos na tinta e desenhos colorizados. Ilustrações com cenários, personagens de corpo inteiro – ninguém quer ver gente pela metade – ilustrações compostas com mais de um personagem (aí pode ter montagem e gente pela metade), estudos de expressão facial de personagens, sketchs dessas personagens e, no mínimo, uma sequência de cinco páginas totalmente prontas de uma história em quadrinhos para que se possa avaliar sua arte sequencial e diagramação. Tudo recente.

O que não deve conter: desenhos antigos – nenhum editor quer ver como você desenhava aos dez anos ou está interessado na evolução do seu traço. Estudos de mãos, pés, cabeças, coisas assim – não é uma aula de anatomia; se você desenhou os personagens de maneira correta, o editor verá que você sabe fazer tudo isso, não precisa ver suas aulas de desenho. Panfletos, revistas, ou cartões de pizzaria – isso é um portfólio, não sua pasta pessoal. Lembre-se: um portfólio deve ser limpo e organizado por itens. Separe ilustrações a lápis, a tinta e a cores, assim como deve separar quadrinhos de sketchs. Como disse antes, um portfólio não é uma pasta pessoal, evite as coloridas ou desenhadas. Deve ser uma pasta sóbria, sem estampas – o que deve ser realçado é sua arte. O editor não está interessado em saber se você gosta da Hello Kitty ou do Naruto.
No caso de um portfólio digital, mande uma pasta virtual contendo imagens com identificação precisa no nome dos arquivos (por exemplo, para uma sequência de cinco páginas de quadrinhos, pode criar cada página com denominações tipo “amostraHQ_pg01, amostraHQ_pg02,” etc…), e se possível, coloque marca d’água sobre cada imagem. Todas as imagens devem estar em JPG e com baixa resolução, nada com mais de 100dpi.
É importante que você compreenda que o portfólio é o primeiro contato que um editor tem com você. É o seu verdadeiro cartão de visitas. Através dele, este saberá muitas coisas sobre seu modo de trabalhar e poderá se mostrar interessado em ver seu projeto completo.

Perguntas frequentes:

1. Se eu não tiver nenhum personagem meu, ou nenhuma história, como eu faço os sketchs de personagens ou as amostras de páginas?

Você pode criar personagens só para mostrar toda a sua capacidade criativa. Não se esqueça de caprichar em tudo. Já que pode criar qualquer coisa, mostre que sabe fazer bons figurinos. Se não tiver um roteiro original, escolha uma pequena fábula ou até um trecho de um livro e adapte, mas atenção: procure boas seqüências, nada muito parado senão o editor não verá tudo que você pode fazer.

2. Devo deixar materiais originais para o editor analisar?

Geralmente os editores evitam isso e não é comum pedirem. Sempre evite deixar originais, procure deixar cópias só se for solicitado. Com a internet é mais comum enviar um portfólio digital para o editor e aí você não terá problemas de fazer cópias. Se o portfólio contiver material ligado a obra original, é bom fazer o registro de direitos autorais na Fundação Biblioteca Nacional da sua história, antes de liberar qualquer coisa para um editor desconhecido.

4º Esteja preparado para responder perguntas

Nunca fique na dúvida e fale com certeza. Não minta sobre prazos! Se mentir será pego nela ao mostrar que não rende o que falou. Calcule seu tempo de produção de uma página de quadrinhos completa, de uma ilustração PB e de uma arte a cores. O tempo é a coisa mais importante para o editor quando se trata de trabalhar com você.

Perguntas frequentes:

1. Quanto tempo se leva para fazer uma página em média?

Geralmente se conta um dia por página de quadrinhos completa ( isso inclui, lápis, tinta e acabamento), mas como geralmente os desenhistas trabalham por etapas – muita gente desenha tudo e depois faz o resto – você estima que deve desenhar de duas a três páginas por dia (lápis) para ter um bom ritmo, mas isso só no caso de só fazer isso e não trabalhar, nem estudar. Alguns mangakás que trabalham sozinhos levam em média 60 dias para fazer aproximadamente 30 páginas.
Tempo de produção é algo que varia bastante de um desenhista para o outro. O que não pode mesmo é ficar parado e enrolar para fazer o trabalho.

5º Apresente um projeto consistente

Nada de idéias, exibições de Power Point, ou discursos sobre como sua história é fantástica! Fatos! O editor trabalha com fatos, coisas concretas. Sua história pode ser original, fabulosa, romântica ou cheia de mistério, mas tem de vir acompanhada de um roteiro totalmente escrito – essa dica é também para os roteiristas – e de páginas desenhadas, pelo menos no lápis. Não é bom apresentar um projeto todo pronto já, na tinta, pois o editor pode querer que você mude algum detalhe. Ele é visual, precisa ver sua arte – isso começa no portfólio – e depois ver como você trabalha, na prática – mostrando seu projeto já em andamento. Editores só adotam projetos sem ver páginas desenhadas se já conhecem o trabalho dos desenhistas. Para os novatos é obrigatório mostrar serviço!

Perguntas frequentes:

1. Eu tenho uma boa história, mas não a escrevi totalmente. Posso apresentá-la ao editor?

Duas coisas que editores não costumam fazer no Brasil: comprar um projeto sem saber quantas páginas tem e ler um roteiro inteiro. Se o seu roteiro não está pronto, termine; acredite, vai precisar saber quantas páginas serão desenhadas, pois é uma das primeiras coisas que o editor vai te perguntar. Ele precisa dessa informação para poder fazer um orçamento na gráfica, caso se interesse em publicar seu trabalho.

2. Minha série foi inspirada num mangá famoso. É uma boa jogada?

Não. É a pior viagem. Esse papo de fazer séries porque viu uma no mesmo estilo é suicídio profissional. Tem de saber separar as coisas: você pode fazer uma série de luta, por exemplo, mas evite conotação com séries populares tipo Dragon Ball, Cavaleiros do Zodíaco ou Naruto. Tem tantos jeitos de contar uma história desse tipo! É só se esforçar um pouco mais e estudar outras possibilidades bebendo de fontes históricas, mitológicas e até de ficção-científica. Material bom para dar base a aventuras originais é o que não falta! Muita gente aposta nisso pensando “Se fizer uma série no estilo do mangá X ficarei famoso depressa”. É… ficará sim, famoso como plagiador!

6º Comece com coisas pequenas

Sua saga tem trinta volumes? Esqueça por enquanto. Tem que começar com coisas menores. Trabalhar com projetos pequenos e de rápida publicação. Oneshots são muito populares na tendência de vendas do Brasil. No máximo trabalhos de dois volumes. Isso já será um grande desafio, acredite. Se conseguir produzir histórias menores, estará abrindo caminho para coisas maiores e mais elaboradas, mesmo porque ninguém disse que histórias curtas não podem ser boas. Tem de ser flexível, se não conseguir se adaptar, não conseguirá chegar aonde quer.

Perguntas frequentes:

1. Tenho uma série minha. Quero começar por ela, mas o que faço se o editor me propuser outro trabalho?

Primeira coisa: se sua série for muito grande, mude e comece a oferecer algo menor. Em segundo lugar: analise o que o editor está te propondo. Se for um roteiro bom e não for nada muito extenso, vale a pena pegar o projeto para depois tentar publicar algo seu. Mas cuidado, tem que ver se o roteiro é bom mesmo. Tem alguns editores que tem umas idéias sofríveis e acham que é o máximo. Infelizmente, o ego impera muito mais do que a racionalidade e a técnica em certas editoras.

2. Devo me associar a outro roteirista se tiver um projeto muito grande e não tiver nada pequeno em mente?

È sempre uma boa possibilidade, mas aconselhamos a ser cauteloso na escolha. Lembre-se que, além de ter uma boa história você tem que ter uma boa “química” de trabalho com o roteirista porque vocês terão de trabalhar juntos até o fim do projeto e isso pode demorar bastante.

7º Crie sua estrutura

Não, editores não vão pegar suas páginas originais e fazer todo o resto para você. Isso deixou de ser prática há muitos anos no Brasil. Você também tem que entender que não está no Japão e aqui nunca será o Japão. Não há assistentes batendo na sua porta e nem tampouco você tem condições de pagar um salário ou uma gratificação pelo trabalho deles. Editoras no Brasil recebem o material pronto, na maior parte dos casos. Você terá que fazer tudo, na maior parte do tempo, portanto deve se preparar – suas etapas iniciais vão desde a produção de roteiro e pesquisa, até a tinta no papel; o estágio seguinte é o escaneamento, tratamento e acabamento das páginas. Todo esse processo é feito no computador, isso significa que você terá de dispor de uma boa máquina com os programas adequados e, principalmente, saber usá-los. Nesse caso, comece a juntar dinheiro e a estudar todas essas coisas. È bom e natural um desenhista ou roteirista trabalhar em outras atividades para ter um alicerce sólido e poder se dedicar com calma aos quadrinhos. Se tiver uma boa base econômica nunca vai ficar reclamando que não pode fazer nada porque não tem dinheiro, além de ter poder aquisitivo para comprar equipamentos adequados ao seu trabalho.

Perguntas frequentes:

1. Que tipo de softwares geralmente se usa para produzir quadrinhos?

Geralmente são usados: Photoshop (para tratamento, limpeza, montagem de página, aplicação de retícula e certos tipos de coloração e efeitos – esses dois últimos são facultativos), CorelPainter (para coloração digital) e ComicStudio/MangaStudio (para montagem de página e aplicação de retícula). Existem outros programas que podem incrementar sua produção, caso queira estudos mais detalhados de cenários ou vídeos para fazer animações de propaganda de seus quadrinhos, mas tudo isso já é opcional. Também é interessante conhecer um pouco sobre preparação de arquivos para gráficas a fim de saber como isso é feito e para não ficar tão por fora quando conversar com o editor.

2. É muito difícil montar uma equipe?

Com certeza você não encontra isso na esquina. No Japão, que tem estrutura, isso é complicado, imagina aqui! É difícil encontrar gente disposta a se jogar de cabeça num projeto sem ganhar dinheiro, na hora, com ele. Infelizmente poucas pessoas apostam numa idéia e acreditam na força de uma história. Isso dificulta muito montar um grupo coeso e profissional, mas não é impossível.

8º Saiba fazer escolhas

Isso significa ter prioridades. Começa por um fato simples: gostar de desenhar não é a mesma coisa que trabalhar com desenho. Na maior parte do tempo você estará envolvido com coisas que não tem nada a ver com desenhar só o que você gosta, mas sim, desenhar muitas outras coisas, como cenários, móveis, animais e vai por aí afora. Se quiser ser um desenhista deve estar ciente disso. Tem que estudar de tudo e fazer de tudo. O tempo também será questão crucial para você e terá que abrir mão de muitas coisas. Desenhar e produzir toma muito tempo e isso significa que você terá que fazer escolhas relativas ao seu futuro. Definitivamente, desenhistas não são baladeiros profissionais nem passeiam fins-de-semana inteiros. Isto também vale para os roteiristas!
A questão financeira também conta muito: remuneração imediata acontece em poucos casos. Trabalhos feitos para editoras geralmente funcionam na base da porcentagem em vendas, por isso é bom ter outras fontes de renda para manter sua estrutura de trabalho. Essa é uma profissão que exigirá muito de você no quesito tempo. Esteja ciente de tudo isso para não ter do que reclamar depois.

Perguntas frequentes:

1. Se ganha bem nesse mercado?

De cara, você não vai ganhar nada. Com sorte, elogios ao seu trabalho. Terá que aprender a ter paciência. Você não está num mercado pronto, está num mercado em formação! Será um pioneiro, como os poucos artistas mais velhos que existem atualmente. Fará escolhas e a primeira pergunta que tem que fazer é: “Por que estou fazendo isso? Por grana ou por amor a esse trabalho?” Se for por grana, vai ter uma tremenda decepção: não que você nunca irá ganhá-la, mas muitas vezes terá que passar sem ela se quiser contar as suas histórias. Geralmente os desenhistas que ganham mais dinheiro são os que não têm obras autorais, pois trabalham para editoras já estabelecidas em cima de obras alheias, já consagradas. Fazer algo novo e começar do zero é complexo e exigirá muito de você. A única coisa que irá mantê-lo de pé na maior parte do tempo será a convicção de que estará fazendo algo para as pessoas, que deixará sua marca nelas.

2. No exterior é mais fácil conseguir trabalho?

Não. Lá você terá que competir com muita gente fera, além de ter a desvantagem de ser estrangeiro. Ao contrário daqui, os países lá fora valorizam muito os seus artistas e os priorizam, existem até leis nesse sentido, coisa que só está sendo sugerida com mais veemência agora. Portanto, não tenha a ilusão que é moleza publicar algo lá fora. Geralmente eles contratam desenhistas para fazer suas histórias e não para criar projetos autorais. São raros os casos onde desenhistas conseguem fazer trabalho com roteiros deles ou de outros brasileiros, no exterior.

3. Preciso de uma faculdade para ser desenhista de HQ?

Não, mas isso não significa que não tem que estudar e muito para ser um profissional de ponta, quando se trata de mangá. As faculdades de artes e design podem te dar base de algumas coisas, mas não são boas quando se trata de HQ em geral. Eles tratam esse tema com muito descaso e ainda existe muito preconceito no mundo acadêmico. O ideal é fazer uma faculdade para trabalhar em algo a parte (uma segunda profissão) e estudar o que necessita, para trabalhar com HQ, por fora. Mas é sempre aconselhável ter uma boa base de história da arte, por exemplo. Nada como boas fontes para ter boas idéias! Outra coisa: português é fundamental! Não interessa o que leu na internet em chats ou fóruns sobre esse assunto. Sempre será exigido bom português. Quem não sabe escrever não deve se aventurar a fazer roteiros sem aprender boa gramática, primeiro!

Bem, estes são alguns dos pontos mais importantes para se ter uma idéia de como é esse mercado e de como se deve proceder. É claro que existem exceções, mas como o próprio nome diz, são exceções. Então, é bom o futuro profissional estar preparado para o mercado que encontrará e não ter ilusões. Este é um mundo de muito, muito trabalho!
Se o leitor tiver alguma dúvida, estamos aqui para tirá-las.

Boa sorte! ^___^


Esta entrada foi publicada em Dicas de Produção de Mangá. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

15 respostas a Apresentação de trabalhos para editoras

  1. Matheus disse:

    OMG, me desculpem a expressão mas “This is fucking HARD”….nunca tive a oportunidade de mostrar meu trabalho pra uma editora, mas tenho u´ns amigos que estão fazendo uma fanzine comigo, tem dois que cuidam do roteiro, eu e minha amgia cuidamos da arte, e o maximo que rola são algumas páginas, não bolamos um volume inteiro ainda, mas tem um montão de gente querendo ler.

  2. Elisa disse:

    Bom, pelo menos as maiores cidades reconhecem nem que seja um pouco, os trabalhos no estilo mangá. Eu por exemplo, moro em Goiânia e as chances de eu conseguir me virar com quadrinhos são minimas hehe

    Mas mesmo assim eu e alguns desenhistas estamos criando algumas histórias, pra quem sabe se nós conseguirmos uma publicação, ai pode ser que o mercado melhore…
    Somos uma equipe, junto com a nossa professora cada um está criando histórias, trabalhando desde o roteiro, a criação de personagens e cenários. É muito complicado… Por que algumas histórias não cabem em oneshots… O mais louco é tentar imaginar os moveis do quarto do seu personagem, a sala, quantos quadrinhos por página, os diálogos, tudo isso numa leitura dinâmica que lembre mangá. Por que no final, pouquissimas pessoas vão considerá-lo trabalho em mangá mesmo. São tantos detalhes, coisas que provavelmente seus leitores nem vão perceber mas que você precisa pensar, no final acaba sendo muito engraçado… rsrs

    Mas vocês estão totalmente certas, acho que tem que ser assim mesmo. Na verdade os desenhistas de quadrinhos não contam histórias, eles as mostram, e ai que está a arte o/
    No final a gente se apaixona por eles, sabe, os nossos personagens hehe

    hasta luego xDD
    Elisa

  3. Glauciene disse:

    Boa tarde! Sou Glauciene, também moro em Goiânia e gostei muito do seu blog, pois é o primeiro que tenho conhecimento que dão bons feedbacks para quem está querendo entrar nesse mercado. Desenho desde pequena e estou apaixonada pelo mercado de animação, tenho mil idéias e roteiros na minha cabeça, o que falta no momento é o conhecimento técnico para lidar com as ferramentas tecnológicas necessárias para o desenvolvimento do meu trabalho. Aqui em Goiânia tem uma turma que sempre se esbarra nos eventos ligados ao assunto e todos tem a mesma opinião sobre a capacitação que ainda não é constante, acontece um curso aqui ou ali, mas falta ainda muita coisa para aprender. Os melhores cursos estão no eixo Rio e São Paulo e são muito caros. Então, gostaria que nos desse algumas dicas neste sentido ou mesmo cursos on-line à distância. Obrigada.

  4. Olá Glaucilene,
    Mangá e animação são coisas diferentes. Embora ambos precisem desenhar muito bem, os profissionais dessas áreas usam métodos e linguagens diferentes no processo de produção. Infelizmente, sobre animação não podemos auxiliar porque nosso trabalho não é focado nessa parte. Existem alguns polos de animação independente no Brasil, mas isso requer uma busca detalhada e dependerá muito do que você que fazer ( nos referimos ao estilo).
    Boa sorte em seus estudos
    Um abraço!

  5. Gabriel disse:

    Olá, eu estou muito intereçado em entrar nesse ramo, apesar das dificuldades, mas reparei que você mencionou sobre empregos secundários e cachê e isso me deixou com algumas dúvidas, gostaria de saber se uma pessoa que trabalhe como mangaka aqui no Brasil pode viver só disso? Caso seja muito difícil seria mais aconselhável a pessoa possuir um emprego secundário como desenhista ou em algum outro ramo? Talvez até ser um mangaka como carreira secundária. Esses assuntos realmente me deixam na dúvida e agradeceria se exclarecesse para mim.

  6. Oi Gabriel,
    Aqui no Brasil é difícil viver só de quadrinhos por causa da questão da produção. Como, geralmente, os artistas trabalham sozinhos, demora mais para o produto sair e então, o dinheiro não entra num fluxo constante. Nesse caso, é interessane ter outra atividade e equilibrar os dois trabalhos. Nós fazemos isso. Se o trabalho do artista for bom e constante, com o tempo pode render frutos e, aí, ele até pode viver só disso, mas é um processo de estruturação que deve ser bem alicerçado desde o início.

  7. luiz disse:

    eu li essas dicas, mas confesso que ainda fiquei com duvidas cruciais.
    1:o mangá é todo editado no computador ou ele so é usado para pintar e colocar reticulas?
    2:se um editor gostar do meu trabalho e querer compra-lo,como funciona o sistema da compra e do pagamento ?
    3:e como é o sistema dos direitos autorais,caso eu venda um material original?
    Bom, desde já agradeço por tirar algumas duvidas^^

  8. Olá Luiz,
    Bom, vamos responder suas perguntas.^_____^
    1. Isso varia muito. Alguns desenhistas, atualmente, fazem tudo no computador, outros, só a parte de pintura e acabamento, outros diagramam no computador também. Isso vai de cada artista e também da disponibilidade que cada um tem de equipamento adequado. Não existe regra fixa.
    2. Isso depende do editor. Alguns podem pagar um bom valor fixo pela obra e ficar com o valor das vendas, outros podem pagar um valor menor e dar porcentagem nas vendas para você ou, ainda, podem só te oferecer porcentagem de vendas. Isso também varia. Vai do que você e ele acham interessante e possível, no momento.
    3.O direito autoral é inalienável, Luiz. O que você negocia é o direito de publicação e vendas do material, por um determinado tempo que pode ser definido em contrato. Durante esse período só aquele editor pode publicar aquele título, a não ser que você feche um contrato de exclusividade com ele, isso é raro pois, exclusividade é uma fortuna e os editores por aqui não fazem isso.
    Caso tenha dúvidas, consulte um advogado antes de assinar qualquer coisa.
    Abraço!

  9. Amanda disse:

    Olá, Studio Seasons- san. Meu nome é Amanda e sou muito fã do trabalho de vocês ^^ Eu tenho algumas dúvidas referente à publicação de trabalhos em editoras:
    1. Influência na publicação não morar no mesmo estado das editoras? – É que a maioria delas estão em São Paulo… ^^’
    2 . Onde eu posso baixar programas para auxiliar no desenho de mangá?
    3 . Eu conheço um pouco da história do estúdio, mas gostaria de saber, apenas por curiosidade… Vocês pensam em publicar uma grande história algum dia? – porque isso seria ótimo.

    Bem, assim como milhares de pessoas no mundo – pelo menos eu acho – eu desejo do fundo do coração ser quadrinistas. E eu realmente adoro o blog de vocês e estou me esforçando pra estudar ^^

    Mais uma coisa, o que é PB? – eu realmente não sei.
    Beijos e Bom trabalho (Ganbare !^^)

    • Agradecemos os elogios!
      Sobre suas perguntas:
      1- Não, hoje em dia pode-se fazer praticamente tudo via internet, inclusive reuniões com a editora;
      2- Existem sites onde você pode comprar programas gráficos originais. Infelizmente, não podemos fornecer endereços onde se pode baixar programas gratuitamente (exceto sites oficiais que fornecem amostras) por conta de seus direitos autorais;
      3- Temos séries que, em média, atingem 3 a 4 volumes. Não é necessário fazer uma grande história para se contar uma boa história, e temos várias para contar. ^___^

      Ah, PB é abreviatura para preto e branco usada comumente por artistas gráficos.

      Abraços

  10. Vinicius disse:

    Olá (: Sou desenhista, tenho 18 anos e quero ingressar nesse mercado. Você poderia me sugerir editoras que seriam boas para eu enviar meus trabalhos ? Obrigado

    • Isso dependerá do tipo de serviço que você deseja prestar: se como ilustrador de livros, capista, quadrinhista, cartunista, etc. Para isso, você deve procurar as editoras ativas no mercado e saber que tipo de material elas precisam no momento. É interessante observar qual o perfil de publicação das editoras para mostrar um material direcionado.

  11. sara disse:

    Adorei a matéria, mas tenho uma pergunta (ainda estou no primeiro passo)
    Se eu não tenho como apresentar meu trabalho a um profissional em um período recorrente ou mesmo longo, como saberei quando meu traço ou arte estará “no ponto”?
    Por que por si mesmo isso é impossível, sou do tipo que não gosta de nada do que eu faço, tudo é desagradável.
    É aconselhável treinar minha técnicas artísticas esboçando alguns quadrinhos ou criar um roteiro de treinamento incluindo anatomia, cenário e etc?
    PS: Vocês podem dar dicas de como melhorar o traço, exemplo, para desenhar cenários, pegar uma foto, identificar o ponto de fuga e tentar desenhar?

  12. Rômulo Barva disse:

    Olá!!
    Ótima matéria. Já tirei grande parte das dúvidas que tinha com ela, obrigado por compartilhar esse conhecimento!
    Tenho algumas dúvidas sobre a composição do portfólio para editoras de HQ’s:
    – As páginas completas devem ser já coloridas?
    – Não é “perigoso” enviar material com personagens/roteiros/histórias criados por mim? Já ouvi algumas estórias “feias” de profissionais rejeitados que tiveram suas ideias, posteriormente, plagiadas e publicadas.
    Por enquanto é só! VALEU!

    • Studio Seasons disse:

      Olá, Rômulo,
      Não se manda material original ou roteiros integrais para editores. O certo é mandar apenas amostras de páginas, imagens de portfólio e sinopses da obra. Se você tem algum receio pode registrar o material da Fundação Biblioteca Nacional para caso haja algum furto de obra , mas isso é bem raro. Para isso, procure verificar o currículo das editoras. Não vá entregando tudo de mão beijada para o primeiro que aparecer. Editoras também devem ter reputação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *