Vampire Kisses ( Laços de Sangue) – Ellen Schreiber e REM

Vampire Kisses pode ser definido como um excelente modelo de arte em mangá feita no Ocidente. Com uma produção totalmente fora do Japão, a série, que conta as aventuras da gótica Raven e seu namorado vampiro Alexander, não é apenas um exemplo de material feito nos EUA, mas também uma amostra que a arte do mangá pode cruzar fronteiras e ganhar personalidade local.
O traço é limpo e dinâmico, a arte é bem definida e a aplicação de retícula está totalmente ajustada ao tema, sem exageros ou faltas.
Tanto a autora tem completo domínio do conteúdo com amarrações de detalhes (mesmo numa trama básica, isso é vital!), como a desenhista mostra personalidade na sua arte – por exemplo, ao utilizar o recurso das onomatopéias típicas na arte japonesa como uma forma de apresentar as personagens, demonstrando mais do que simples absorção do estilo, mas adaptação e criatividade.
Um material muito bom como referência de estudo, mesmo para quem não curte histórias com temática gótica.


Esta entrada foi publicada em Análise Técnica. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Vampire Kisses ( Laços de Sangue) – Ellen Schreiber e REM

  1. Lancaster disse:

    Com uma produção totalmente fora do Japão, a série(…) não é apenas um exemplo de material feito nos EUA, mas também uma amostra que a arte do mangá pode cruzar fronteiras e ganhar personalidade local.

    Ótima observação, e acho que os mangás só têm a ganhar com isso. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *